Fórum Inativo!

Atualmente Lodoss se encontra inativo. Saiba mais clicando aqui.










Vagas Ocupadas / Vagas Totais
-- / 25

Fórum Inativo!

Saiba Mais
Quadro de Avisos

>Dizem as más línguas que o anão Rookar, que fica no Porto Rangestaca, está procurando por mercenários corajosos - ou loucos - que estejam afim de sujar as mãos com trabalhos "irregulares". Paga-se bem.

> Há rumores sobre movimentações estranhas próximas aos Rochedos Tempestuosos. Alguns dizem que lá fica a Gruta dos Ladrões, lar de uma ordem secreta. Palavra de goblin!

> Se quer dinheiro rápido, precisa ser rápido também! O Corcel Expresso está contratando aventureiros corajosos para fazer entregas perigosas. Por conta da demanda, os pagamentos aumentaram!

> Honra e glória! Abre-se a nova temporada da Arena de Calm! Guerreiros e bravos de toda a ilha reúnem-se para este evento acirrado. Façam suas apostas ou tente sua sorte em um dos eventos mais intensos de toda ilha!




Quer continuar ouvindo as trilhas enquanto navega pelo fórum? Clique no botão acima!

[Classica] O misterio na mansão Celebros.

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por NT Neon Lily em Qua Abr 27, 2016 6:59 pm

Balltier El Raziel
PV 100/100
PM 100/100
Atributos:
Força: F
Energia: D
Agilidade: D
Destreza: D
Vigor: E
Itens:
Nenhum.
Anotações: Nenhuma.
Exp rendida: 50


Ezer Macola
PV 100/100
PM 100/100
Força: E
Energia: F
Agilidade: C
Destreza: E
Vigor: E
Itens:
(1) Dirk de Nível 1;
(1) Armadura de couro de Nível 1 (Protetor para o tórax e protetores para o antebraço);
(1) Cantil de água;
(1) Bolsa de viagem simples
Anotações: Uma
Exp rendida: 50


Silmeria Lockwood
PV 100/100
PM 100/100
Força: E
Energia: D
Agilidade: B
Destreza: B
Vigor: D
Itens:
Arco comum e aljava de flechas
- Adaga comum adquirida no teste do exército, após uma luta com um jogador.
- Manto negro comum.
- 4 Elixires (Cura independente do ferimento que tiver. Se estiver a beira da morte com um ferimento no coração, ele te cura; se estiver sem uma perna e hemorragia, também cura e ainda faz crescer outra no lugar)
Anotações: Nenhuma.
Exp rendida: 50


Torak
PV 100/100
PM 100/100
Força: B
Energia: E
Agilidade: D
Destreza: D
Vigor: C
Itens:
Nenhum.
Anotações: Uma
Exp rendida: 50







NPCs da campanha:

Brandir Celebros: Conde das terras a oeste de Hilydrus, futuro marido de Annael.
Annael: Futura esposa de Brandir.
Hector: Homem de confiança de Brandir.


Última edição por NT Neon Lily em Qui Jun 09, 2016 4:00 pm, editado 3 vez(es)
avatar
NT Neon Lily

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 10

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por NT Neon Lily em Qua Abr 27, 2016 7:09 pm

Era inicio da tarde no glorioso reino de Hilydrus. Uma garoa fina marcava presença entre nuvens cinzas e trovejantes que insistiam em manchar os seus da Ilha. O tempo estava frio, as pessoas se protegiam como podiam da chuva, que mesmo fraca era incomoda, e com a ajuda dos ventos fortes tornavam o clima ainda mais gelado. Apesar de ainda ser inicio de tarde, as pessoas mal voltavam do seu almoço, alguns ainda iam ter sua refeição, mas a camada de nuvens no céu deixava tudo parcialmente escuro.

Mais a oeste do reino, num lugar onde as grandes propriedades dominavam, e poderosos nobres e senhores de muitas terras viviam suas vidas tranquilos, no conforto de suas mansões, aquecidos por suas lareiras e envoltos pelo amor e aconchego de suas famílias. Não há lugar mais seguro que o próprio lar, é o que dizem, mas o quão longe pode ir esta afirmação? Seria ela uma certeza irrefutável, ou apenas mais um dito popular que possui valor simbólico apenas, mas em pratica não é como diz ser? Uma família em especial, descobriu na pele o quão errado pode estar até o mais sábio dos provérbios.





A família Celebros, do conde Bramir, estava prestes a comemorar uma data importante em suas vidas, a união de duas famílias importantes. Um casamento que serviria mais do que somente para aumentar o prestigio de ambas as famílias, mas que selaria a união de um casal no mínimo diferente da maioria dos outros. Enquanto que a maioria dos casamentos era arranjado, e sequer a vontade dos noivos era levada em consideração, a jovem Annael teve a sorte de ter se apaixonado pelo homem que um dia viria a se tornar seu futuro marido. Nada mais poderia dar errado até então, os noivos se amavam, as duas famílias aprovavam o casamento e desejavam isto, tudo deveria correr bem, até que numa noite, faltando apenas dois dias para o dia do casamento, uma tragédia acontece na família de Bramir.

A mansão onde mora o conde fora invadida na calada da noite, ninguém viu ou ouviu nada, nem mesmo aqueles que vigiavam o terreno do lorde. Nenhuma porta foi arrombada, janela violada, ou sequer alguma passagem escondida ou desconhecida aos senhores daquela casa. E no silencio da noite, um assassinato ocorreu, mais especificamente no quarto onde dormiam Annael e sua irmã mais velha Merlinda. A jovem Merlinda fora atravessada por um punhal em seu peito, não houve chance de fuga, sequer pode gritar por sua vida ou lutar, mas ainda em seus últimos segundos de folego, ela alertou sua irmã, que dormia tranquilamente na cama ao seu lado. A jovem acordou e tudo que viu foi o vulto de capa negra, não era muito nem muito corpulento, mas ainda assim assustador. Ele portava uma arma brilhante, um punhal de prata, mas que agora estava manchado pelo sangue de sua irmã assassinada.

Annael gritou antes de ser golpeada também, mas para sua sorte, ela pode lutar por sua vida, tentou escapar antes de ser brutalmente jogada de volta para a cama e então golpeada com força pelo assassino. A jovem não morreu, ela sobreviveu ao ataque, e mesmo ferida gravemente ainda teve forças para clamar por ajuda enquanto o assassino fugia pela janela. Menos de um minuto depois chegou a ajuda, era Bramir ainda em suas vestes de dormir acompanhado de um de seus capatazes. O homem se desesperou ao ver sua amada se desfazendo em lagrimas e sangue na cama, e ao lado, o corpo de Merlinda jogado já sem vida, e correndo contra o tempo, buscou ajuda para poder salva-la.

No dia seguinte a noticia que correu foi que Annael havia sobrevivido ao ataque, mas devido à gravidade de seu ferimento, o casamento não mais aconteceria na data de amanhã, seria adiado por tempo indeterminado. Annael passou a ser cuidada e vigiada dentro da mansão de Bramir, ele contratou mais alguns homens para poder cuidar da jovem, mas a ameaça não cessou. A partir daquele dia fatídico, a família não teve mais paz, cartas chegavam à mansão todos os dias ameaçando matar não só a jovem Annael, mas também Bramir e toda sua família, mas nunca havia um autor para a carta, ou sequer um motivo para tanto ódio.

Mas Bramir estava determinado a continuar com aquele casamento, ele jamais abandonaria sua amada esposa, e mesmo que houvesse algum risco, ele correria para poder ve-la feliz. Sem outra alternativa, ele foi obrigado a chamar por ajuda externa, clamando por alguém que pudesse ajuda-lo a resolver este mistério que rondava sua mansão. Quem seria o tal assassino? E por que motivo ele tinha tanto ódio daquela família, a ponto de tentar assassinar a todos?




Foi nesse dia triste e chuvoso que vocês chegaram até aqui, os portões da mansão Celebros, o lar do conde Bramir e de sua família, e também local onde todo aquele mistério perambulava ainda para ser descoberto. Quando chagaram, foram recebidos por homens de porte muito forte, vestidos com roupas comuns, mas bem limpas e novas, mas com cara de poucos amigos. Eles os fizeram muitas perguntas, e depois os levaram até a porta da mansão, onde esperaram até que o próprio conde os recebesse. Ele estava trajando uma roupa fina propria para aquela ocasião friorenta, com seu cachimbo em mãos já aceso. Ele tinha uma expressão muita séria, sua barba o parecia fazer parecer mais velho, mas deveria estar na casa de seus 30 e poucos anos. Era forte, mas não ao ponto de parecer um truculento, apenas alguém que costuma se exercitar mais que o comum.


Ele os convidou a entrar na casa, e logo de cara vocês puderam sentir a diferença de ambientes, do frio e umidade do lado de fora ao calor confortável e seco da mansão. Ele os levou até a biblioteca onde apenas um dos capatazes os seguiu, sendo o ultimo a entrar e fechando a porta logo atrás de si. A biblioteca era grande e bem arrumada, do lado direito da porta de entrada havia uma janela grande que dava vista para os jardins da mansão, um sofá vermelho confortável logo abaixo da janela servia de acento a quem quisesse relaxar sob a luz do sol, mas que hoje estava em falta. A frente uma prateleira com algumas peças de arte e esculturas, e mais a frente destas, quase no centro, duas poltronas de um único lugar na mesma cor que o sofá. O homem se sentou numa daquelas poltronas enquanto que o capataz em outra ao seu lado, o sofá daria para trás de vocês se sentarem, mas um ficaria em pé, a não ser que preferissem se apertar um pouco para caberem todos. Na parede esquerda era quase toda tomada por uma estante lotada de livros dos mais diversos e ao centro, uma mesinha com um bule e algumas xícaras.

- Sentem-se, por favor. Me chamo Bramir Celebros, conde das terras a oeste de Hilydrus. Sou o dono desta mansão e de toda a propriedade que aqui veem, desde jardins até as plantações próximas da estrada.

- Gostaria que se apresentassem, antes de irmos direto ao assunto.

O homem falava com calma, mas sua voz era dura e bem séria, que tipo de assunto ele teria para tratar?

Start!:
Sejam bem vindos à minha campanha, espero que gostem bastante e se divirtam com a historia que irei narrar para vocês aqui. Espero manter o ritmo de posts proposto nas inscrições, portanto irei postar ao menos uma vez por semana, podendo ser mais de uma, dependendo de vocês e de seu ritmo.

A partir daqui ja começa o jogo, e antes de mais nada desejo a todos uma boa sorte e um bom jogo. Todos vocês chegarão à mansão sem saber de absolutamente nada do que está ocorrendo naquela casa. Vocês foram chamados sobre o pretexto de ter um serviço que envolvia algum perigo e necessidade de alguém com boa percepção e também que soubesse se defender, mas não foram dados mais detalhes. Vocês podem dizer se ouviram falar, ou não, do conde Bramir, mas vocês jamais o conheceram pessoalmente, ou no máximo ja o viram nas areas mais nobres do reino, caso a frequentem.

Então é isso, pessoal. Boa sorte e podem começar, os status serão postados no decorrer da semana, pois hoje estou um pouco sem tempo e pra não atrasar mais a vida de vocês, decidi postar sem eles mesmo, se eu lembrar de mais alguma coisa, digo no próximo post, ou mando PM. =]
avatar
NT Neon Lily

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 10

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Pacificador em Qua Abr 27, 2016 11:00 pm

- Eu sou Balltier, Ball se quiserem. - Era isso que ele havia dito ao chegar nos portões da mansão. Meneou a cabeça para esquerda e direita, entao olhou para os homens ali com certo desconforto, mas apenas por ter de responder as perguntas. - Não tenho armas comigo. Eu cresci próximo de um rancho. Não estou perdido, me pediram para vir aqui, então estou aqui. - Ao atravessar o portão ele soltou uma longa baforada de ar quente, deixando um rastro de névoa a sua frente, não conseguia compreender o motivo de tantas perguntas na maior parte do tempo era ele que as fazia.


Então esperou com os demais, comprimentou com um simples aceno de cabeça cada um deles, então não demorou para o conde aparecer. Era um adulto alto e forte e parecia ter muita autoridade sobre todos ali, Balltier naquele momento entendeu que ele não poderia se dar ao luxo de ofender tal pessoa.

Ao entra na casa ele soltou um suspiro de alívio, não detestava aquela temperatura baixa mas o calor e conforto da mansão eram bem mais aconchegante que  a chuva e o frio do lado de fora: retirou a luva de sua mão direita e ergueu as mangas do mesmo braço até o cotovelo no entanto em seu lado esquerdo deixou como estava.

Ao entrar na biblioteca olhou brevemente para as  coisas ali, até o momento queria entender qual era o motivo de ser convidado para estar ali, então parou e fitou o Jardim por longos  segundos para em seguida hesitar em se sentar no sofá, mas assim o fez sentando no meio.

Ele começava a ficar inquieto, olhava para o teto, ora olhava para as prateleiras com os livros. Em seguida simplesmente disse. -  Eu sou Raizel, um humunculo. - Falou sem nenhum tipo de culpa, nunca era uma boa coisa esconder o que era. Então antes de estar terminado perguntou sem demora. - O que é um conde? - Não disse isso como uma piada, ele tinha um certo instinto que o homem ali era um líder ou algo semelhante mas não tinha lá certeza disso.

_________________
Balltier El Raizel

MO$:0

Força: 0 (F)
Energia: 4 (D)
Agilidade: 4 (D)
Destreza: 4 (D)
Vigor: 2  ++ (E)
avatar
Pacificador

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 57
Idade : 22
Localização : .-.

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Homúnculo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Phyress em Seg Maio 02, 2016 10:50 pm

Depois de alguns meses com Hayate, as coisas pareciam finalmente mais leves. Os dois acabaram se aproximando e iniciaram um relacionamento. A estadia com o clã de seu companheiro fora boa e confortável, mas estava com um pouco de falta de saber sobre as notícias principais da cidade e pediu para que eles visitassem a capital.

Assim, eles começaram a viagem para Hilydrus. Por conta do tempo incomodo, Zoran bicava de leve o cabelo de Silmeria insistindo para que ela continuasse o carregando em seu braço. A águia era comum, pelagem negra no corpo e branca na cabeça, com aqueles olhos amarelos intensos. O vínculo entre os dois ainda era novo, mas a mestiça sentia uma grande afeição pelo animal e às vezes sentia que talvez estivesse o mimando um pouco. A mestiça acabou tendo que começar a usar uma capa grossa de couro nos antebraços para suportar as garras de Zoran.

Enquanto passavam pela área mais nobre a caminho, acabaram sendo abordados com um pedido de ajuda. A princípio ficou receosa em aceitar, mas após a insistência e aparente preocupação do homem que veio lhes pedir ajuda, Silmeria acabou optando por tentar dar uma chance e insistiu para que Hayate fosse.

- Zoran, você espera aqui fora por agora. Vá. – a águia levantou um voo baixo, procurando algum lugar baixo e de preferência coberto para esperar.

Adentraram na mansão e depois de algum tempo foram conhecer o tal conde. O lugar parecia confortável, mas Silmeria não conseguia ficar muito admirada. Sentia-se um pouco tensa e paranoica... Para que eles haviam pedido por ajuda afinal?

- Silmeria. – disse, breve, desejando ir direto ao ponto – Para que foi o pedido de ajuda afinal?

_________________
~Silmeria Lockwood~

Atributos:
Forca: 2 [Rank E]
Energia: 4 [Rank D]
Agilidade: 12 [Rank B]
Destreza: 12 [Rank B]
Vigor: 4 [Rank D]
MO:1000
avatar
Phyress

Mensagens : 208

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 11
Raça: Meio-Elfo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Torak em Qui Maio 05, 2016 1:30 pm

Passar um tempo com o clã deixou Torak revigorado. Era um ambiente amigável, todos respeitavam ele e a Silmeria como se fossem uma família, o que poderiam considerar de fato. Havia completado seu treinamento inicial de xamã e com isso conseguiu a capacidade de controlar sua maldição por completo. Além disso agora era companheiro de Silmeria. A mestiça realmente havia o cativado.

Passaram quase três luas com o clã até que Silmeria insistiu que visitassem Hilydrus. Torak não gostava muito de cidades grandes, mas concordou em irem. Afinal ela tinha o guardião do clã — uma águia — para lutar ao seu lado. Era uma honra e tanto.

O passeio durou até que o casal foi abordado por um estranho que pedia ajuda. Torak desconfiou do homem mas a mestiça mais uma vez insistiu para lhe dar uma chance.

— Certo, mas fique atenta. — Comentou e a acompanhou até a mansão. Era um lugar luxuoso de fato, mas esquisito aos olhos do rapaz. Não via necessidade na maioria daquelas coisas. Ao se apresentar, levou o punho fechado ao peito, gesto típico de sua tribo. — Sou Torak Presa Trovão, guerreiro e xamã do Clã da Águia.

E baixou a mão, agora esperando pelas respostas do conde. Além do casal havia um garoto que se apresentou como um homúnculo. Já ouvira falar de tais seres, mas não imaginou que podiam ser tão parecidos com um humano de verdade. De qualquer forma, também queria saber o que era um conde então esperou calado.

_________________

Torak

Habilidades Especiais
MO: 2225

Força: B
Energia: F
Agilidade: D
Destreza: D
Vigor: C
avatar
Torak

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 124

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 9
Raça: Lobisomem Impuro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Ezer em Qui Maio 05, 2016 6:55 pm

Ezer não sabia ao certo porquê diabos havia aceitado ir até aquela mansão, que ficava do outro lado da cidade. Estava chovendo, e um frio de rachar os ossos. Ainda assim, por algum motivo escondido em seu subconsciente, o garoto aceitara andar meia cidade para ser interrogado nos portões, junto com alguns outros estranhos.

E então ele estava lá, com as mãos metidas nos bolsos do casaco grosso que vestia, olhando para a casa gigantesca que se erguia à sua frente. Logo apareceu um homem que aparentava ter mais ou menos o dobro da idade de Ezer. Vestido com roupas quentes e secas, de dar inveja. Aquele homem se apresentou como conde, e os convidou a entrar. O garoto entrou, sentindo-se grato por estar dentro da casa, quente e seca. Sacodiu a cabeça de leve como se algo estivesse errado e necessitasse de anuviar as ideias. E seguiu para a biblioteca.

Não conteveu um sorriso deslavado quando um dos rapazes perguntou o que era um conde. Mas logo, suprimiu a expressão, e seu rosto estampou mais uma vez todo o tédio que o acometia. Álias, era provavelmente o tédio que fizera com que Ezer estivesse ali, naquele momento. A garota foi mais direta, e ele concordava com ela, queria saber o que esperavam deles.

Quando todos já haviam se apresentado, Ezer deu um passo a frente, estava mais próximo da porta que os outros.

- Ezer Macola. - Disse com indiferença. E olhou mais uma vez para a porta. E depois, pousou o olhar no Conde, e esperou pelas respostas.

_________________


Ezer Macola
H.E.
FOR: E - ENE: F - AGI: C - DES: E - VIG: E
avatar
Ezer

Mensagens : 29

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Humano

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por NT Neon Lily em Qui Maio 05, 2016 9:56 pm

Diferenças a parte, todos pareciam estar ali movidos por um único objetivo, a curiosidade e ansiedade de saber o que os esperava de um pedido de ajuda feito tão às pressas. E alguns com mais pressa, outros com menos, todos se apresentaram. O conde observou a cada um com um olhar muito sério, parecia estar irritado com algo, e quando Raziel fez aquela pergunta, ele arqueou uma sobrancelha surpresa, mas depois disso voltou aos demais, passando os olhos por cada um a medida que começavam a falar. Quando todos se apresentaram, ele se empertigou na poltrona e começou o discurso.

-- Vejo que alguns de vocês são mais aplicados que outros, pois bem, irei direto ao assunto aqui. Os chamei pois necessito de ajuda para resolver um grave problema.

Ele se levantou e foi até a mesinha do centro pegar uma xícara do chá, ele estava exalando um ótimo cheiro, parecia uma mistura de maça e canela, mas invés de voltar a seu lugar ele deu alguns passos em direção à parede com os livros, ficando de costas para o grupo como se procurasse algum titulo para ler, mas manteve seus braço esquerdo por trás do corpo enquanto que o direito apenas segurava a xícara que ele tomava.

-- Há um mês atrás, na véspera de meu casamento, um atentado terrível aconteceu que me fez adiar a cerimonia. Minha mansão foi invadida por um ser vil e cruel, que não teve pena em ferir minha amada gravemente e matar sua irmã a sangue frio.

Ele voltou a andar, passos vagarosos, parecia pensativo, sequer olhar para o grupo, como se estivesse revivendo as cenas em sua cabeça.

-- Desde então, minha mulher se recupera deste terrível atentado contra sua vida, mas também, desde aquele dia, viemos recebendo... Ameaças deste que ousa se opor à nosso casamento.

Ele finalmente parou, quando já estava próximo da porta, Ezer estava a um braço de distancia dele, mas o homem sequer notava o rapaz ali, ou se notava, não dava a mínima, continuando com seu relato.

-- Devido a isso chamei mais homens para proteger minha propriedade. Meu capataz, Jorel, homem de minha inteira confiança, é o responsável por guardar esta casa e seus moradores, mas ainda assim, a insegurança ronda este lugar, e mesmo com o dobro de mercenários em volta de minha mansão do que havia anteriormente ao dia do assassinato, continuo a receber cartas e sinais de que o infeliz voltará e matará a mim e minha mulher.

Ele finalmente voltou a fitar o grupo, mas diferente de antes, ele parecia agora um pouco menos sério que antes, sua expressão murchara um pouco ao relembrar tais memorias.

-- Imagino que estejam se perguntando o porque de te-los chamado aqui, estranhos encontrados pelas ruas de Hilydrus. O que poderiam fazer nesta situação? Mas acredito que ao menos um de vocês seja esperto o suficiente para entender o ponto onde quero chegar.

E talvez não fosse mesmo difícil presumir o que estava acontecendo ali, qualquer um com um pouco mais de percepção dentre aqueles quatro, e um pouco de raciocínio logico, perceberia que, se houve um reforço na guarda, e mesmo assim o assassino continua rondando a mansão, só pode significar que o dito cujo está entre os frequentadores daquele casarão.

-- Mas para aqueles que ainda não compreenderam a importância deste chamado, lhes direi agora. Quero que sejam meus guarda costas e de Annael, minha amada.

-- Mas não somente isso, quero que guardem nossas vidas, e também peço que façam uma coisa por mim. Mas antes de fazer este pedido venho com uma nova questão.

-- Até onde posso confiar em vocês para esta tarefa?


Aquela era uma pergunta bastante aberta, mas ao mesmo tempo dificílima de responder. Que tipo de respostas estaria esperando um homem cujo sua própria casa tramava contra ele? Era de se esperar que este desconfiaria de tudo e todos, talvez por isso o encontro tão reservado, na biblioteca a portas fechadas, apenas seu homem de mais confiança no recinto, e a dúzia de perguntas que tiveram que responder quando chegaram. Como convencer um homem que desconfiava até de sua própria sombra, que ele poderia confiar em seus serviços?

Observações:
Bom gente, eu vou mudar um pouco o meu critério de postagem citado la no tópico de inscrição, até para evitar esquecimentos como o meu de ontem. xd
A partir de hoje irei estipular um prazo fixo, e ao fim desse prazo, irei postar, independente de quantos de vocês tiverem postado. E sobre os status, peço minhas sinceras desculpas, mas eu esqueci disso também, mas não se preocupem, pois como estão na parte do dialogo, isso não afetará muito vocês. Acredito que amanhã de manhã ele já esteja la todo preenchido para vocês.
avatar
NT Neon Lily

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 10

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Ezer em Sex Maio 06, 2016 10:25 pm

Dizem que a curiosidade é o que move o mundo. E quem era Ezer para discordar? Movido por nada mais que curiosidade, tinha agora certeza disso, havia se enfiado naquela mansão. O garoto ouvia o relato do Conde com atenção. Uma história triste, de fato. Lamentável, poderia-se dizer.

Não se incomodava com o fato de o Conde estar de costas para eles, falando sozinho como se não houvesse mais ninguém naquela biblioteca. Algo naquela história parecia errado. E aquele desconforto aumentava à medida em que o Conde se aproximava do rapaz. As mãos, ainda reclusas em seus bolsos, se cerraram com força. Quando o Conde se virou novamente na direção do grupo, o rapaz se sentiu compelido a arredar um pouco para trás, mas estagnou diante das palavras que se seguiram. As palavras estavam ali, na sua garganta, formando um bolo insosso.

E quando o homem acabou seu relato, e quando o homem decidiu fazer aquela pergunta, Ezer engoliu em seco. E pensou se devia mesmo responder. E então, não pensou duas vezes, mesmo que se arrependesse depois.

Deu dois passos para trás, por instinto, antes de começar a falar.

- Senhor, peço de antemão, que perdoe o que vou falar. Mas sua cunhada foi assassinada dentro de sua casa, sua futura esposa ferida, e o senhor continua recebendo ameaças mesmo com a guarda dobrada. O senhor insinua que o culpado tenha acesso à sua casa, o que dificulta a situação. E então, sabe-se lá por que cargas d'água, o senhor decide pedir ajuda para quatro completos desconhecidos, e quer que eles lhe ofereçam lealdade sem que o senhor lhes ofereça nada em troca?

Falou tudo rápido, meio embolado, como que para tirar todo aquele peso da cabeça, então respirou, e continuou.

- Senhor, mais uma vez, peço que perdoe minhas maneiras, mas senhor conde, isso me parece leviano demais. Não posso falar pelos outros, mas ao menos a minha lealdade, não vai estar à sua disposição por pura compaixão. E não, não estou dizendo que minha lealdade tem um preço, afinal, isso seria o mesmo que dizer que ela não vale nada. Mas senhor, não acha que está simplesmente se colocando em maior perigo ainda, admitindo mais estranhos em sua casa, e os pedindo para cuidar pessoalmente do senhor e de sua futura esposa?

Quando terminou de falar, Ezer, que normalmente não falava muito, mas havia explodido naquela situação, abaixou a cabeça e soltou um muxoxo inaudível, enquanto, mais uma vez, afastava-se do conde. Era possível ver que, apesar de todo o discurso, o rapaz estava preocupado com o bem estar daquele homem, que tinha idade para ser seu pai. Para Ezer, era simplesmente, inadmissível que alguém confiasse cegamente em estranhos daquela maneira. Ou havia muito mais ali a ser dito, ou o conde era um tolo.

_________________


Ezer Macola
H.E.
FOR: E - ENE: F - AGI: C - DES: E - VIG: E
avatar
Ezer

Mensagens : 29

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Humano

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Pacificador em Seg Maio 09, 2016 5:10 am

O jovem chegou a umidecer os lábios pronto para responder, quando o senhor Ezer começou a questionar o conde, então ficou quietinho escutando. Ora concordava com algo e assentia, outras em que ele achava que não estava tão certo.

Tudo ali parecia um pouco estranho para o homunculo, uma grande casa, guardas e a falta de segurança e principalmente a insegurança do conde. Por um momento ele pensou em recusar o pedido, mas e depois? Alguém faria o trabalho em seu lugar, então decidiu ajudar.

- Não vou retribuir sua confiança com palavras vazias; Nunca precisei proteger outras pessoas, além de mim mesmo. - Olhou para o capataz, então voltou o olhar para o conde. - E também não acho que seja uma boa hora para me ensinar, fora isso, me ensinaram para não confiar em alguem que peça confiança,  ao meu ver você precisa de ajuda de alguém de fora, portanto eu quero ajudar no que for preciso. -

Espirou ao fim da frase ao mesmo tempo em que colocava a mão na frente. Depois de algum tempo, nao conseguia esperar então comentou. - AnNael? como a conheceu.-  Perguntou querendo entender mais quem era a moça.

_________________
Balltier El Raizel

MO$:0

Força: 0 (F)
Energia: 4 (D)
Agilidade: 4 (D)
Destreza: 4 (D)
Vigor: 2  ++ (E)
avatar
Pacificador

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 57
Idade : 22
Localização : .-.

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Homúnculo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Phyress em Qui Maio 12, 2016 7:28 pm

Silmeria apenas ouviu a história do homem sem dizer nada. Poderia criar diversas teorias malucas sobre as coisas que ele contava... Mas era difícil ter certeza de qualquer coisa.

Bem, fazia algum sentindo ele contratar estranhos para o auxiliar nisso. No lugar dele, Silmeria estaria paranoica e desconfiaria de todas as pessoas que estavam ao seu redor. O questionamento de Ezer era válido, mas imaginava que o Conde estava em uma situação difícil em que seus contatos não tinham mais a mesma credibilidade de antes. Quem quer que fosse o vilão, devia ser alguém próximo. Alguém que provavelmente já sabia que ele havia contratado estranhos.

- Eu acho que você é quem deve decidir o quanto está disposto a arriscar. – respondeu ao conde e olhou para Hayate, sem saber se ele estava disposto a aceitar. Honestamente, a ideia de ser apenas uma espécie de guarda costas não parecia boa... Esperava que ele pedisse para que encontrassem o assassino, caso contrário, ficariam lá por muito tempo. Haviam muitas perguntas que ela gostaria de fazer sobre a história dos dois, mas esperaria que o Conde contasse o que julgasse necessário primeiro, além de fazer o tal pedido.

_________________
~Silmeria Lockwood~

Atributos:
Forca: 2 [Rank E]
Energia: 4 [Rank D]
Agilidade: 12 [Rank B]
Destreza: 12 [Rank B]
Vigor: 4 [Rank D]
MO:1000
avatar
Phyress

Mensagens : 208

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 11
Raça: Meio-Elfo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Torak em Sab Maio 14, 2016 11:37 pm

A história do conde era realmente preocupante. Ter alguém ameaçando quem você ama era assustador, principalmente quando não se fazia idéia de quem era o responsável por isso. Torak cruzou os braços, pensativo com a proposta e a situação. Deveriam proteger o casal, o que parecia uma tarefa simples, mas o rapaz tinha certeza que não seria. Não sem conhecer o inimigo. Além disso as palavras de Ezer fizeram sentido, pedir ajuda para desconhecidos não parecia muito sensato, mas entendeu o desespero do conde. Ele não podia confiar em ninguém próximo, por isso chamou os quatro, apesar de Torak não entender o porquê daqueles dois garotos estarem ali. Talvez porque eles não chamam tanta atenção? É, boa idéia.

— Silmeria tem razão. — falou firme ao conde. — São quatro estranhos protegendo sua vida, sem contar que a nossa vai estar em risco também. Eu quero ajudar como puder, mas você precisa ter certeza disso.

O que preocupava Torak eram os garotos. Podia confiar em Silmeria obviamente, mas não neles. O homúnculo parecia justo, mas o outro era estranho. Era difícil saber se ele queria ajudar ou não.

_________________

Torak

Habilidades Especiais
MO: 2225

Força: B
Energia: F
Agilidade: D
Destreza: D
Vigor: C
avatar
Torak

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 124

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 9
Raça: Lobisomem Impuro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por NT Neon Lily em Dom Maio 15, 2016 4:57 pm

O conde permaneceu impassível diante das indagações de todos ali, ele parecia absorver como uma esponja toda e qualquer palavra que lhe era direcionada e retornava em troca um olhar sério e firme. O que estava acontecendo afinal? O que aquele homem queria daqueles 4 indivíduos, que nada tinham a ver entre si, mas que agora estavam juntos ali em prol de uma missão que eles mal compreendiam? Brandir olhou para seu capataz e dirigiu-se somente a ele, de forma que ninguém mais entendesse o sentido daquela pergunta.

- E então?

O homem por sua vez olhou para seu senhor e falou com certa frieza na voz, este que até então só observava a todos de seu lugar, sequer se levantou para servir-se do chá. Ele agia quase como um fantasma na biblioteca, apenas observando a todos e em total silencio, mas em contrapartida, para aqueles mais atentos, como Silmeria e Ezer, deu para perceber que ele quase os devorou com os olhos a todo momento, como se os estivesse avaliando.

- Ainda tenho minhas duvidas, senhor Brandir... Mas acho que estes são os melhores que pode conseguir.

- Além do mais, não temos muito tempo, seu casamento está bem próximo novamente, e temo que ele vá agir como da primeira vez, na véspera do grande dia.


Brandir voltou a seu lugar, colocando seu charuto num cinzeiro, sentou-se novamente, parecia agora um pouco mais tranquilo que antes, será que Ezer e Silmeria estavam certos? Aquilo fora só um teste? Mas teste para que? Em que foram testados? Quais os critérios usados, e principalmente, eles haviam passado, mas o que vinha a seguir?

- Respondendo ao senhor Ezer. Não espero que façam isto de graça, porem antes precisava ter certeza que teria a lealdade de vocês, independente das circunstancias.

- E sim. Considero a possibilidade de estar colocando em um perigo ainda maior minha vida e de minha mulher ao chama-los aqui, porem, devo lhe dizer que estou realmente disposto a correr este risco, e lhes explicarei porque, caso ainda não tenham entendido.

- Seja quem for este assassino, ele consegue adentrar minha propriedade, e até mesmo minha própria casa, sem sequer ser visto ou ouvido por qualquer de meus guarda costas. Ele não arromba as portas, não usa as janelas, nem as outras entradas e saídas alternativas da mansão. E partindo disso tudo, a única coisa que posso imaginar é que... O assassino não é alguém desconhecido, mas sim alguém que está aqui comigo.

- Então senhores, nessas circunstancias, chamar alguém desconhecido, alguém que não tem ligação nenhuma com esta casa e seus moradores, é a melhor das opções que tenho neste momento.

- E senhor Balltier. Creio que estas informações sejam irrelevantes por agora. Não nos ajudara a encontrar o assassino sabendo sobre as vidas minha e de minha mulher.


Brandir soltou um suspiro, parecia um pouco cansado agora, ou talvez fosse só impressão. Mas ele novamente retornou ao seu charuto, e foi aí que o capataz tomou a frente na conversa.

- Ainda não fui apresentado, podem me chamar de Hector. Como meu senhor disse, o trabalho de vocês é um pouco mais do que simplesmente cuidar de suas vidas, vocês devem descobrir também, quem é o traidor que trama contra a vida dele e de sua futura esposa.

- Sei que parece que estão em desvantagem, vocês não conhecem nada nem ninguém nesta casa, mas não é. Somente nós sabemos sobre esta conversa, para todos os outros, inclusive os da família do senhor Brandir, vocês serão apenas um grupo de guarda costas que eu contratei para cuidar do casal enquanto estes se preparam para o casamento.

- A cerimonia acontecerá daqui há três dias, e temo que o assassino retorno ao final do segundo dia, assim como da ultima vez, na véspera do casamento para tentar novamente seu crime. Vocês devem agir como se fossem simples mercenários, chamados aqui para fazer o mesmo que todos os outros, cuidar da casa e da propriedade, porem devem também vigiar a todos, qualquer um que não seja Senhor Brandir, eu ou senhorita Annael são suspeitos, inclusive vocês mesmos.

- Ficou bem claro a missão de vocês? Alguma duvida quanto a isto? Se precisarem de qualquer informação esta é a hora de perguntar.


Prazo e observações:
Como prometido, a partir de agora teremos prazo definido, e caso postem todos antes, eu posto antes, porem caso alguem atrase, eu irei pular sua vez. Prazo até dia 22/05. Status... Em breve xd
avatar
NT Neon Lily

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 10

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Pacificador em Qui Maio 19, 2016 3:02 pm

Lealdade. Ele nunca parou para pensar muito nisso, de um modo geral, parecia que o conde precisava assegurar que todos ali ficariam ao seu lado independente do que ele havia feito. De fato isso começava a fica evidente na conversar, não demorou muito para o homúnculo mais uma vez se sentir um pouco deslocado, não sabia muito sobre tudo mas sabia o bastante sobre pequenas coisas e na maioria das vezes era isso que importava no final.


E assim veio a descrença. Ele queria mais, queria saber os motivos. Pois de onde vinha tentativa de assassinato não era algo comum. Ele tornou a ficar calado, desta vez podia se notar um resquício de mau humor. Olhou para Torak acompanhou para Silmeria depois olhou para Ezer. Memorizou os rostos, tinha quase certeza que dependeria deles nos próximos 3 dias ou até mais...

- Sim. - Concordou, mas certamente não estava de acordo com aquilo. Ser considerado suspeito era algo novo e incomum, não gostou do jogo de palavras usado pelo capataz.

- Já faz um mês que a tentativa foi feita, então o assassino vai agir apenas quando a cerimonia estiver próxima? - inocente, não. Ironia. Ou simplificando; Como chegaram a esta conclusão? Ficou calado deixando a pergunta inocente no ar, não tinha um motivo para se fazer de difícil, mas ser deixado de lado era algo que ele certamente não lidava muito bem, claro ainda por muitos ainda era um pouco infantil em relação a isso.

Outra coisa era que tinha esquecido de algo importante, mas até o momento não se lembrava o que era.



_________________
Balltier El Raizel

MO$:0

Força: 0 (F)
Energia: 4 (D)
Agilidade: 4 (D)
Destreza: 4 (D)
Vigor: 2  ++ (E)
avatar
Pacificador

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 57
Idade : 22
Localização : .-.

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Homúnculo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Phyress em Dom Maio 22, 2016 4:39 pm

Silmeria continuou observando... Trocou um olhar breve com Hayate. Aquele homem provavelmente era maluco em manter uma data de casamento quando recebia ameaças constantes e, além disso, depois de sua esposa ter sido atacada na própria casa. A mente, curiosa, já imaginava possibilidades um pouco malucas... Se o alvo era a mulher, se perguntava se era o caso de um homem louco que a amava ou talvez alguém que tivesse algum rancor contra o Conde e quisesse machucá-lo.

Mas... Fazia um mês que a irmã dela havia morrido na véspera do casamento, Annael havia acabado de terminar de se recuperar e eles já se apressavam para um novo casamento? Parecia um tanto desesperado e até mesmo frio. De qualquer modo, parecia interessante e estava curiosa para descobrir a história por detrás daquele incidente.

- Eu gostaria de ver as tais ameaças. As cartas, se você ainda as tiver. – comentou, queria saber que tipo de conteúdo tinha nelas... Se a escrita era apenas fria, passional, se o conteúdo dela indicava qualquer coisa sobre o assassino ou o que ele sentia – E para ser honesta, embora como vocês se conheceram não seja importante, nós sabermos sobre a sua família e a família de sua esposa me parece ser essencial. Eu suponho que quem quer que seja, deve ter algum sentimento forte por você, sua esposa ou pelas suas famílias... Saber um pouco sobre os empregados daqui será bom também, quem entra e quem sai, quem vive aqui dentro, quem estava no castelo no dia do assassinato... Seria útil termos esse tipo de informação, eu imagino que você possa nos falar sobre isso... – e olhou para Hector. Duvidava que um Conde soubesse desse tipo de detalhe, imaginava que Hector soubesse.

_________________
~Silmeria Lockwood~

Atributos:
Forca: 2 [Rank E]
Energia: 4 [Rank D]
Agilidade: 12 [Rank B]
Destreza: 12 [Rank B]
Vigor: 4 [Rank D]
MO:1000
avatar
Phyress

Mensagens : 208

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 11
Raça: Meio-Elfo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Ezer em Seg Maio 23, 2016 12:44 am

Depois de expressar parte de seu desconforto com a situação, Ezer olhou apreensivo para o conde. Não parecia se importar muito com o que os outros diziam. Respirou fundo, e quando Brandir se dirigiu ao outro homem, o garoto soltou um suspiro. Se sentia desconfortável e esgotado. Então simplesmente meteu as mãos nos bolsos úmidos e dirigiu-se à janela. Pôs-se a olhar para fora, para os jardins da mansão, enquanto vez ou outra, olhava de soslaio para os dois figurões da sala.

E assim aprendeu que o casamento estava chegando, e entendeu um pouco o desespero que o homem deveria sentir. Chegou a se virar, mais uma vez na direção do conde quando este começou a lhe responder. Mas logo perdeu o interesse, e voltou-se mais uma vez para os jardins. Uma coisa na fala daquele homem porém, o intrigou. E fez com que se apoiasse no sofá para prestar atenção ao restante da conversa, que se seguiu com a apresentação de Hector e informações sobre o "serviço". E quando ele finalmente terminou... Os outros se puseram a falar. A mulher fez questionamentos interessantes.

Aquela situação toda era cansativa, e a chuva que caia lá fora parecia cada vez mais convidativa para o rapaz. Soltou um suspiro, estalou a língua de leve, cruzou as mãos e fechou os olhos. Então se pôs a falar, com uma voz arrastada, calma e entediada, uma atitude bem diferente da que tivera minutos antes.

- Acredito que o questionamento feito anteriormente pelo senhor Balltier seja, de fato, relevante. Qualquer informação que tenhamos a respeito das pessoas que estão acima de qualquer suspeita, é relevante. Qualquer uma. Também acredito que seja necessário conhecermos as circunstâncias do primeiro acidente, não apenas quem estava presente, mas as posições da guarda, a escala de serviço e qualquer incidente que tenha acontecido por menor que seja.

Se calou então, abriu os olhos e fitou os presentes na sala. Não era um detetive, e sinceramente, não gostava da ideia de escarafunchar os problemas dos outros. Mas agora que já estava ali, decidiu ficar e ver o que aconteceria. Estava tentado a voltar-se mais uma vez para a janela e ficar olhando as nuvens carregadas lá fora, mas entendia que aquele não era o melhor momento para isso.

_________________


Ezer Macola
H.E.
FOR: E - ENE: F - AGI: C - DES: E - VIG: E
avatar
Ezer

Mensagens : 29

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Humano

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por NT Neon Lily em Seg Maio 23, 2016 11:29 pm

A conversa seguia monótona para alguns, esclarecedora para outros, mas todos haviam de concordar que tanto Brandir, quanto Hector estavam depositando confiança demais no quarteto, mas lhes fornecendo poucos recursos com o que lutar. A falta de informações não só irritou a uns, como causou certa desconfiança em outros, e isto poderia comprometer a missão. Mas Brandir não era nenhum inocente, ele sabia o que estava fazendo, e mesmo com tal ameaça sobre seus ombros, ele ainda mantinha toda a calma de um lorde, como deveria ser, até mesmo nas horas mais apertadas.

- Nos conhecemos num baile, sua mão foi oferecida a mim como uma promessa de união entre nossas famílias. – Respondeu à pergunta de Raziel sem hesitar, sério como sempre, mas não pareceu se importar mais com as perguntas, muito pelo contrario, agora respondia a todas, claro que mantinha sua compostura, e dava somente o mínimo de informação necessária. Por que? Bem, era de se esperar que alguém que desconfiava até de sua própria família quisesse reter informações, não seria nada prudente sair contando tudo que sabia a qualquer estranho que aparecia. E quanto a segunda pergunta de Raziel, esta quem respondeu foi Hector.

- Bem, senhor Balltier. Depois de tantos dias sem ter dado as caras, apenas fazendo ameaças e demarcando presença, acredita que ele esteja mesmo esperando pelo momento do casamento. Não é uma certeza, mas é o que consigo tirar disso tudo.

Nesse meio tempo Brandir se levantou, tirou do bolso de seu casaco o que parecia ser uma chave minúscula, foi até uma das cômodas dali da biblioteca e dela retirou varias folhas de papel de variados tamanhos. Ele seguiu até Silmeria a entregando toda a resma, que no total deveria ter pelo menos uns 20 bilhetes, todos manuscritos, letra bonita e bem desenhada, típico de uma mulher, ou de um homem bem cuidadoso quem sabe, não dava para presumir com tão pouco. Outro detalhe era que em todas as cartas o assassino em si não fazia questão de esconder que era contra aquele casamento, usando de ameaças diretas e bem claras aos dois amantes para tenta-los persuadir a desistir do mesmo, porem para os olhos e mente afiada da meio elfa, um detalhe não passou desapercebido. Na carta o assassino mencionava somente o casal, fazia ameaças e diria que iria concretiza-las CASO o casamento não fosse cancelado, o que podia significar que o único motivo pelo crime era a tal cerimonia.

- Estas são todas as cartas deixadas pelo assassino, bilhetes escritos cuidadosamente, mas com ameaças mortais e muito sérias, e que sempre são deixados dentro das dependências da casa. Num quarto, na sala de jantar, nesta biblioteca, ou qualquer outro cômodo que esteja vazio, ou que estivera vazio por algum tempo.

Hector novamente interrompeu para complementar a informação.

- Ao todo somos 39 pessoas. 20 empregados, 10 guarda costas e 9 membros da família de senhor Brandir e Senhorita Annael. Dos 20 empregados, somente eu e a governanta da casa ficamos aqui na mansão, mas os outros empregados a maioria possui casas na propriedade de Brandir e moram nas redondezas. Os guarda costas são chamados por mim, são mercenários de uma guilda de aventureiros da região, mas eu particularmente não os conheço, apenas chamo aqueles que acho mais capazes...

- De minha parte somente eu moro nesta mansão, e por parte de minha mulher tem seus pais, suas duas irmãs, sua tia e seu tio, que nos ajudam com os preparativos da cerimonia e a filha deles, que é uma infante ainda e portanto não representa tanto perigo.

- Quanto aos detalhes do incidente, acredito que a única pessoa que possa lhes responder com total riqueza de detalhes seja Annael, porem ela não poderá vir até aqui por razões obvias, mas se ainda assim quiserem saber tudo o que ocorreu naquela noite, deixarei que somente um de vocês vá até seu quarto para conversar com ela, e é claro, irei acompanhar o dito cujo enquanto Hector espera aqui com os demais.


Todas as duvidas pareciam respondidas até então, com exceção da noite do assassinato, mas o próprio conde deixava em aberto a possibilidade de irem pegar a informação direto da fonte, bastava eles aceitarem a ideia e então, talvez, a parte chata daquele negocio pudesse enfim terminar, e eles poderiam partir para a ação propriamente dita, identificar e pegar o tal assassino.

Prazo e observações:
Novo prazo até 30/05. Os jogadores Torak e Ezer estão com uma anotação em meu caderninho pelo atraso, e como sabem, segundo as regras, 3 anotações e vocês serão convidados a se retirar. Então espero que não se repita até chegar neste ponto (nem em outro ponto, porque isso aqui não é ônibus pra ficar parando em ponto). E os status enfim foram colocados em seu lugar. E gente, se vocês acharem que tem algo chateando vocês, se acham que está muito parado, que eu escrevo demais, de menos, ou qualquer critica em relação a meus posts, não hesitem em me falar, por favor. Estou aqui para proporcionar um bom jogo a todos, e espero estar fazendo o certo pra isso. ^^
avatar
NT Neon Lily

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 10

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Phyress em Seg Maio 30, 2016 3:36 pm

Com as cartas em mão, Silmeria passou a ler o conteúdo de algumas delas. Eram muitos bilhetes para o pouco tempo que havia se passado... Quem quer que fosse o responsável, provavelmente estava desesperado para que o casamento não acontecesse. A letra parecia mais feminina... Mas era difícil supor que se tratava de uma mulher só por causa disso. Não era especialista nesse tipo de coisa para saber se não era só um homem disfarçando sua letra. Mas se o alvo era apenas ambos, por que ele havia assassinado a irmã da jovem? Aquilo era um detalhe que a incomodava... Não seria estranho que ele se livrasse de um empecilho, mas isso tirou a vantagem dele de poder enfiar a faca no peito de seu verdadeiro alvo sem nenhuma resistência. Pior. Os bilhetes eram deixados dentro da próxima casa, o que fortalecia ainda mais a ideia de que o assassino estava ali.

E que droga. 20 empregados era um número grande para lidarem em apenas 3 dias. Por mais que não fosse um número absurdo... Não, talvez por não ser um número absurdo o assassino conseguia agir até que com certa liberdade. Mas, em geral, alguém sempre via algo ou notava algo diferente. Talvez devessem começar a falar com eles... Quem quer que fosse também, não devia ser um grande guerreiro ou assassino, já que deixou que seu alvo principal ficasse vivo, ou talvez alguém inexperiente que ficou desesperado quando a jovem gritou por ajuda. Com a proposta de falar com Annael, Silmeria olhou ao redor e diante do silencio dos demais, resolveu falar.

- Eu irei então. - pensou em usar a desculpa de ser uma mulher, mas... Não era das pessoas mais delicadas com quem não gostava, mas tinha paciência para fingir em situações sociais... Ainda mais naquela, em que não se sentia em risco - Enquanto vamos... Eu queria saber de algo a mais. Esse casamento implica no que para ambas as famílias? Negócios, alianças ou algo do tipo...?

_________________
~Silmeria Lockwood~

Atributos:
Forca: 2 [Rank E]
Energia: 4 [Rank D]
Agilidade: 12 [Rank B]
Destreza: 12 [Rank B]
Vigor: 4 [Rank D]
MO:1000
avatar
Phyress

Mensagens : 208

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 11
Raça: Meio-Elfo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Pacificador em Seg Maio 30, 2016 10:43 pm

Ele observou as folhas sendo entregue, por pouco quase ergueu a mão esperando receber ao menos uma mas desistiu, ao menos não tinha que se preocupar com isso por enquanto. - 20 folhas.- murmurou arregalando os olhos, era algo surpreendente tal quantidade.

O garoto esfregou o nariz em algum momento, não era o melhor para o trabalho, sabia disso, mas na verdade quem era? Mas o pior de tudo era a curiosidade em ouvir as historias os motivos, mistério e a razão de tudo aquilo. Era tão difícil se abrir? Gostava de como era sua vida, tão simples em comparação do conde.Vai ser uma historia de amor, certo? No entanto o conde parecia não ser muito romântico na verdade ao longo do tempo acabava esquecendo, que a irma de Anael já estava morta era como diziam novas memorias reescreviam as antigas, novas ideias e ações ao longo do tempo.

Então levou a palma da mão a cabeça balançou a mão tentando desanuviar os pensamentos inúteis. - aahmm, apenas um? Quero ir também... Deixa vai. - Fez uma expressão de "pidão". Já se levantava para seguir até a mulher que tinha se oferecido também. - Vou ficar quieto. - Levantou o mindinho e complementou. - Prometo! -

Na realidade não queria ficar trancado ali esperando o depoimento no final de tudo. Já estava sentindo a pressão do trabalho e ver a noiva do conde com seus propios olhos era algo que seria definitivamente mais comum, saber e conhecer todos que ele teria de defender, ou algo do gênero.

Se sua proposta fosse recusava não iria fazer birra ou algo do gênero, voltaria normalmente para o sofá. - Quem é você? - Iria perguntar para o Hector.

_________________
Balltier El Raizel

MO$:0

Força: 0 (F)
Energia: 4 (D)
Agilidade: 4 (D)
Destreza: 4 (D)
Vigor: 2  ++ (E)
avatar
Pacificador

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 57
Idade : 22
Localização : .-.

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Homúnculo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Ezer em Seg Maio 30, 2016 11:52 pm

O garoto não pôde deixar de conter um pequeno sorriso por alguns instantes, quando o conde voltou atrás e respondeu à pergunta de Balltier. E quando Brandir entregou os bilhetes para Silmeria, espichou a cabeça para tentar ver alguma coisa, sem sucesso.

O número de pessoas que frequentava a casa era desanimador, mas provavelmente não seria impossível de fazer uma triagem e eliminar alguns suspeitos. Ezer ouvia tudo com atenção incólume. Julgou que seria interessante ouvir o depoimento da noiva, mas não era a pessoa adequada para fazer aquelas perguntas, não se sentiria à vontade e, para ser sincero, ser o responsável por ouvir a mulher do conde lhe soava extremamente enfadonho.

Enquanto ponderava sobre estas questões, a meia-elfa se prontificou a ir ver Annael, e o garoto soltou um suspiro de alívio por ter escapado daquela tarefa. O homúnculo queria ir também, mas não se importou muito com isso.

- Ainda sobre a noite do ataque, Hector, poderia me dizer quem estava na guarda à noite? Se tem dez soldados, imagino que seja feito um revezamento a cada 6 ou 8 horas para que estejam sempre alertas. Estou enganado?

_________________


Ezer Macola
H.E.
FOR: E - ENE: F - AGI: C - DES: E - VIG: E
avatar
Ezer

Mensagens : 29

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Humano

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Torak em Qui Jun 02, 2016 9:53 pm

Torak se sentia deslocado. Os três do grupo tinham muitas perguntas, principalmente Silmeria, que parecia mais empolgada em resolver o caso. Por mais que o lobo estivesse acompanhando tudo sem problemas, sabia que aquela situação não era seu forte. Lidar com uma traição, com alguém disfarçado, um enganador era complicado. Torak não era muito bom em investigar as pessoas, pelo menos não sem ser notado. Não era exatamente um tipo discreto. Era um guerreiro e sabia lidar com o que era palpável, como as cartas que o conde entregou à elfa. Ficou aliviado. Não que soubesse ler — era algo desnecessário no seu meio de vida —, mas os papéis ainda podiam ter o cheiro do autor. Se havia algo em que lobisomens eram talentosos, obviamente era em reconhecer cheiros. Claro que não em sua forma humana.

Pouco depois de Silmeria ler os papéis, Torak se transformou para sua forma crinos: um enorme lobisomem negro, sendo que suas roupas se adaptaram ao novo tamanho. Foi algo tão natural para ele que sequer prestou atenção na reação dos demais, pedindo então os papéis para a elfa. Uma vez com eles em mãos, farejaria cada folha separadamente. Dessa forma conseguiria verificar se eram todos da mesma pessoa e até mesmo se foram escritos no mesmo dia, podendo memorizar o cheiro. Isso seria problemático se muitas pessoas tivessem manuseado os papéis antes dele, mas não custava tentar. Seria muito mais fácil para ele lidar com isso do que com as suposições e idéias dos demais. Devolveu os papéis a Silmeria.

— Tome cuidado. — Disse a ela mantendo sua transformação, tendo então uma voz muito mais rouca e grave. — Acho que não dá pra confiar em ninguém fora dessa sala. Enquanto isso posso procurar cheiros parecidos com os das cartas.

Pacientemente decidiu esperar as respostas dos demais e o retorno de Silmeria.


[OFF: Desculpe pelos atrasos, está realmente corrido para mim. Não atualizei minha HE, mas meu personagem não tem mais gasto de EN para se transformar, sendo similar a um lobisomem puro.]

_________________

Torak

Habilidades Especiais
MO: 2225

Força: B
Energia: F
Agilidade: D
Destreza: D
Vigor: C
avatar
Torak

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 124

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 9
Raça: Lobisomem Impuro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por NT Neon Lily em Qui Jun 09, 2016 3:59 pm

--------------------------------------------------  Todos  --------------------------------------------------


A conversa seguia ainda monótona dentro da abafada biblioteca, o ar ali parecia sequer circular devido a tensão em que todos se encontravam. Silmeria foi a primeira a responder, assim que terminou de ler alguns dos bilhetes deixados, a mesma se pôs de pé e se prontificou a ir ver a jovem noiva, mas Balltier o fez logo em seguida, como uma criancinha que pedia aos pais para ir brincar na rua, o que aparentemente não agradou muito o conde.

- Acha que isto é alguma brincadeira, senhor Balltier? Gostaria que levasse um pouco mais a sério o bem estar meu e de minha noiva, não gostaria de me arrepender de tê-lo chamado aqui.

Mas as surpresas não paravam por aí, pois tão logo quanto o conde demonstrou sua insatisfação com a atitude do rapaz, Torak fez sua ação. A principio todos ali se assustaram, Hector se pôs de pé de imediato, entrando na frente do conde e desembainhando sua espada, enquanto que os outros só se afastavam, com exceção de Silmeria, que entregou os bilhetes a ele, mas já se prontificava a defender o companheiro. Hector e Brandir por sua vez, apenas ficaram parados olhando com certo espanto, claro que nenhum deles esperava por uma transformação como aquela, mas eles ficaram parados em seu lugar, a espada de Hector apontada para o corpo da grande besta e de Silmeria, que havia se interposto a frente deles para impedir que seu companheiro fosse ferido. Enquanto que Torak sequer imaginava o que estava acontecendo até que viu a espada apontada para ele.

- Mas o que está acontecendo aqui?! Alguém pode me explicar?

Perguntou Hector com certa indignação na voz e no olhar, mas Brandir pareceu já ter se acalmado o suficiente para voltar à sua posição de antes, ele tomou a frente, para surpresa do capataz, e seguia em direção à porta para esperar pela jovem mestiça.

- Prefiro responder isso depois. Podemos ir, senhorita? Não quero demorar mais com isto, quanto antes começarem melhor.

E era visível que Brandir estava um tanto incomodado e queria sair dali da biblioteca rápido, agora os motivos não se sabia, talvez pela presença do lupino, ou pela “brincadeira” de mal gosto de Balltier, ou por ambos, ou até mesmo um motivo qualquer alheio aos mercenários. Dentro da biblioteca o silencio permaneceu por mais uns segundos, enquanto Hector guardava sua espada, mas ainda com um olhar desconfiado, observava Torak em sua forma lupina.

- Poderia ter nos contado antes sobre sua condição peculiar, Senhor Torak. Algo mais que esconde de nós?

Mas o lobo não deu ouvidos, não a primeiro momento, estava mais concentrado em outra coisa, o odor que vinha daquelas folhas, era aroma adocicado, um perfume, certamente. Ele destoava completamente dos odores de qualquer um dos presentes, até mesmo de cheiros que ele próprio já conhecia, mas tinha certeza que se o sentisse de novo reconheceria sua fonte. E nesse meio tempo, enquanto Hector o observava, o capataz voltou sua atenção a Ezer que ainda não havia sido respondido em sua ultima duvida.

- Senhor Ezer. Normalmente quem cuida das coisas a noite sou eu e mais 4, homens de mais confiança, já estão aqui há mais tempo que os outros 6, dois deles posso afirmar que não têm culpa alguma nisso, estavam comigo na frente da casa vigiando o terreno e a entrada, mas os outros dois estavam pela casa, disseram que não viram nada demais a noite toda, nem mesmo depois dos gritos de senhorita Annael. Posso levar vocês até eles dois se desejarem.


--------------------------------------------------  Silmeria  --------------------------------------------------


Brandir a acompanhou até as escadas em silencio, no segundo andar, um longo corredor levava a varias portas, que imaginava-se que fossem os quartos. O corredor em si já era muito bonito, madeira de lei, o chão bem limpo e de uma tonalidade mais clara e em alguns pontos da parede alguns quadros pendurados tiravam um pouco da sobriedade do lugar. Na segunda porta a direita, a ultima do corredor Brandir parou, e com a mão já na maçaneta, resolveu dar um ultimo aviso antes de adentrar no cômodo.

- Peço apenas que não demore muito, ela ainda está muito abalada e frágil, pode perguntar o que desejar, mas seja breve.

Brandir abriu ficou à porta dando passagem para que Silmeria entrasse, e assim que a mesma adentrou no quarto, notou a diferença de ares que ali estava. O quarto era relativamente mais simples que o restante da casa. A direita da porta uma cômoda mediana de madeira castanha, com um grande espelho preso a esta, a frente estava a janela que dava para o jardim, estava fechada, mas as cortinas brancas bem abertas, dando visão total do lado de fora e das gotas de chuva que batiam no vidro. E do lado esquerdo duas camas de solteiro, uma delas vazia, bem arrumada com lençóis brancos e azuis, e na segunda, a mais perto da janela estava ela, a jovem Annael.

A primeira vista, Silmeria parecia estar olhando para uma criança entre seus 12-14 anos, ela era franzina, constituição bastante delgada, sua pele pálida parecia que se desmancharia ao menor toque e suas feições delicadas davam a ela um ar tão frágil que sequer parecia estar viva. Ela estava sentada a cama, coberta até a cintura pelo lençol azul turquesa da cama enquanto lia um livro, e quando viu a movimentação na porta, apenas levantou a cabeça e fitou a dupla com um olhar um tanto triste e desanimado.

- Minha querida, como se sente?

- Estou bem.

A jovem sorriu ao ouvir a voz de seu amado, mas não o suficiente para parecer estar bem realmente. Ela tinha uma expressão sofrida, como se sentisse dor e estivesse tentando conte-la, Silmeria se perguntava se ainda estaria ferida a jovem menina para estar desta forma, mas provavelmente estava mais ferida emocionalmente que fisicamente com tudo que estava acontecendo.

- Trouxe uma pessoa para conhece-la. Ela quer lhe fazer algumas perguntas sobre aquela noite, se importa em responde-la agora?

Ela balançou a cabeça negativamente, fechando o livro e encarando diretamente Silmeria nesse momento. A mestiça não conseguiria sentir qualquer outro sentimento além de pena da jovem mesmo se quisesse, e até para escolher as palavras certas a serem usadas em suas questões era difícil, pois a sensação de que qualquer coisa que dissesse de errado a faria entrar numa crise de choro sem fim era enorme.

Observações:
Prazo até 16/06. Desculpem o leve atraso, tive uns problemas de saúde desde sábado, voltei para casa somente ontem a tarde. Todos ganharam exp por esse atraso, porem não será dado a vocês agora, toda recompensa de vocês será dada ao fim da campanha.


Última edição por NT Neon Lily em Qua Jun 15, 2016 8:28 am, editado 2 vez(es)
avatar
NT Neon Lily

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 10

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Pacificador em Ter Jun 14, 2016 9:07 pm

Ele inicialmente não entendeu muito bem o motivo de ser repreendido, seguiu para o sofá ainda pensando no motivo. Então Torak se transformo, bem isso por um bom tempo fez Balltier esquecer sobre a bronca. Ele começou a pensar em algumas coisas; como ele fazia isso, era um feral? Parecia com um Lobisomen, mas não havia lua cheia... Ele ia perguntar, mas parou para pensar. - Isso acontece sempre? E quando espirra? - Foi a pergunta para Torak, ele não sabia como funcionava.


Depois voltou sua atenção para Hector. - Como o assassino escapou? O grande mistério foi em que ele entrou no quarto, mas como ele escapou? - Depois disso voltou a andar ao redor, tentou provar o chá, leu alguns títulos da biblioteca, em determinado momento iria até mesmo acenar para alguém que passa-se em frente da janela.


- Eles podiam se casar em segredo, sabe não é vergonha. pelo menos quando se estar assustado e fica bravo com qualquer coisinha. - Resmungou, bem aparentemente não era para o capataz ouvir.

_________________
Balltier El Raizel

MO$:0

Força: 0 (F)
Energia: 4 (D)
Agilidade: 4 (D)
Destreza: 4 (D)
Vigor: 2  ++ (E)
avatar
Pacificador

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 57
Idade : 22
Localização : .-.

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Homúnculo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Phyress em Qui Jun 16, 2016 4:19 pm

Silmeria não pode deixar de olhar com certo desgosto para Raziel quando ele insistiu para que pudesse ir junto. Ele não parecia inocente e um pouco perdido, parecia estupido e infantil, perguntando detalhes inúteis e se comportando como uma criança. A mestiça não tinha paciência para esse tipo de comportamento, mas não disse nada.

Compreendeu toda aquela surpresa quando Hayate se transformou em um lobo gigante, mas antes que alguém pudesse atacar, Silmeria logo se pôs entre o grupo e o companheiro para que não fosse atacado de repente.

- Ele continua sendo um aliado, não se preocupem. – disse, mas ciente de que não havia tanto tempo para explicar nada. O importante é que eles ficassem cientes de que Hayate não era um lobisomem descontrolado. – Está tudo bem, eu devo voltar logo. – acenou de leve para Hayate e saiu da sala junto do Conde.

Aproveitou o trajeto para observar a casa de relance... Deus, apesar da mansão ser grande pelo lado de fora, pareciam haver inúmeros cômodos, especialmente no corredor onde os quartos ficavam. Ouviu o aviso e apenas concordou, mas estranhou. A jovem estava frágil para responder perguntas, mas não para participar de um casamento... Aquele conde parecia estar escondendo algo, ou apenas estava paranoico e zeloso demais.

E ao entrar no quarto se surpreendeu um pouco com a simplicidade. Talvez ela não fosse uma mulher exigente... Observou as duas camas e imaginou que uma fosse da irmã de Annael. Ela estava no mesmo quarto do assassinato? Mesmo? Aquilo parecia estupido e insensível. Mas a visão da mulher a surpreendeu mais ainda... Ela parecia muito jovem ou realmente era muito jovem? Pequena, frágil e pálida... Ficou na dúvida se a jovem parecia daquele jeito porque ainda estava se recuperando. Mas que droga. Por que ela tinha que parecer tão patética? Como ela havia sobrevivido ao ataque?

Tirou o arco das costas devagar o deixou no canto do quarto, olhou de leve para o conde como se pedisse permissão e se aproximou mais da cama. Queria que a garota sentisse um pouco mais de empatia por ela, então imaginava que estar próxima a ajudaria nisso.

- Eu estou aqui para descobrir a identidade daquele que te causou mal e tirou sua irmã de você. – disse, o tom com certo pesar. O que não era difícil, visto o estado da garota - Então eu preciso que você dê o seu melhor para se lembrar do que houve, ok...? Pelo que seu noivo me contou... Você não foi o primeiro alvo. Sua irmã foi golpeada antes, mas conseguiu te alertar e quando você acordou foi atacada. Eu imagino que você... Viu a pessoa se aproximar, vocês lutaram ou você só correu? – vendo como a garota era frágil, queria saber disso para ter ideia da força do assassino, afinal, Annael parecia fraca mesmo que estivesse bem – Você conseguiu ver algo do assassino...? Ele era alto, forte ou algo assim? Você se lembra se ele disse alguma coisa? Se você puder me descrever como foi aquela noite, seria de grande ajuda... Por favor.

_________________
~Silmeria Lockwood~

Atributos:
Forca: 2 [Rank E]
Energia: 4 [Rank D]
Agilidade: 12 [Rank B]
Destreza: 12 [Rank B]
Vigor: 4 [Rank D]
MO:1000
avatar
Phyress

Mensagens : 208

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 11
Raça: Meio-Elfo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Ezer em Qui Jun 16, 2016 9:06 pm

Ezer inconscientemente fechou o semblante quando viu a transformação de Torak. Não era exatamente um fã de lobos e acabou por se encostar novamente na janela enquanto assistia os dois anfitriões assustados com o lobo. Mas a cena durou pouco, e logo Brandir se recompôs, arrancando um suspiro do menino, que tinha uma expressão que quase dizia algo como "acabou?".

Quando Hector se dispôs a respondê-lo, Ezer voltou toda sua atenção para aquelas palavras. Eram cinco homens de guarda a noite, três do lado de fora, na entrada. Dois pela casa. Era pouco. E ineficiente, não cobrir as entradas dos fundos havia sido um erro. O garoto coçou a cabeça. Pensou por alguns instantes antes de abrir a boca.

- Então haviam somente dois guardas para a casa. E ninguém cobrindo entradas laterais ou de serviço? Não podemos descartar a hipótese de ser alguém de fora nesse caso... Gostaria de falar com eles, se fosse possível, senhor. - Então olhou para os lados, como que esperando a aprovação dos demais - Se os outros concordarem, é claro.

Estava tentando ignorar seus companheiros até aquele momento, já tivera más experiências com lobos... e Balltier parecia apenas procurar por alguma coisa para fazer naquela sala. Mas eram agora uma espécie de "time", e teriam de trabalhar juntos. Ezer não ousaria tomar uma decisão pelo grupo.

[OFF: Desculpa o post em cima da hora de novo, final de semestre é osso... Mas amanhã estarei de férias e o mundo será mais bonito *-* assim espero.]

_________________


Ezer Macola
H.E.
FOR: E - ENE: F - AGI: C - DES: E - VIG: E
avatar
Ezer

Mensagens : 29

Ficha Secundária
Título: Nenhum
Lvl: 1
Raça: Humano

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Torak em Sex Jun 17, 2016 12:25 am

Passou tanto tempo longe das pessoas comuns que esqueceu o quanto sua forma lycan os assustava. Em sua tribo isso jamais fora um problema obviamente, havia se acostumado mal. Silmeria o defendeu, deixando claro que ele não era uma ameaça.

— Desculpe. — Respondeu na voz rouca. — Isso é normal para mim. — Não entendeu as perguntas de Balltier, apenas o olhando com uma sobrancelha erguida. Parecia que o garoto não batia muito bem. Voltou a falar com Hector assim que Silmeria se retirou. — Controlo minha transformação, não sou perigoso. Consegui farejar um tipo de perfume nas cartas, bem diferente, se eu farejar isso de novo vou reconhecer fácil. A gente poderia vasculhar a mansão, ver se achamos algo suspeito.

Ouviu as palavras de Ezer e concordou com um movimento da cabeça.

— Sim, podemos fazer isso.

_________________

Torak

Habilidades Especiais
MO: 2225

Força: B
Energia: F
Agilidade: D
Destreza: D
Vigor: C
avatar
Torak

Pontos de Medalhas : 0
Mensagens : 124

Ficha Secundária
Título:
Lvl: 9
Raça: Lobisomem Impuro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Classica] O misterio na mansão Celebros.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum